PARDIEIROS SEM MISSA DOMINICAL

Nos últimos tempos tem-se verificado uma situação estranha no que respeita a celebração da Missa Dominical.
O Pároco desloca-se à aldeia mas não celebra a missa apenas com o pretexto de a comissão existente ter de ser substituída.
Fica a questão, será que é esta a doutrina que aprendemos ?
O nosso pároco, que até nem é de nacionalidade Portuguesa, recusa-se a celebrar a Missa Solene só porque a Comissão não cede aos seus caprichos!
Jesus Cristo ensinou que devemos fazer bem uns aos outros, não devemos pensar nos bens materiais. Mas pelos vistos o nosso Pároco não pensa assim, visto que só volta a celebrar a tradicional Missa Dominical quando a Comissão for substituída.
É caso para dizer, que fé tem este Senhor, para julgar alguém que apenas zela pelos interesses de uma Aldeia de uma forma gratuita? Um representante de Deus que apenas celebra a Missa se a comissão lhe pagar 75,00€ por apenas 45 minutos, leva o dinheiro de duas Missas que pertencia à Comissão e que afirma que só continua a celebrar a Missa enquanto houver dinheiro?
Foi esta a palavra que Jesus Cristo apregoou?
Pergunto eu, como é possível este Senhor ser o Presidente da Comissão da Capela, para apenas no final do mês levar o seu ordenado, quando sempre que são necessárias obras na Capela é a população que tem que financiar, e existem pessoas a trabalhar de forma gratuita durante o ano inteiro para angariar fundos, para pagar a este Senhor que se recusa a dizer a missa com todos os fieis dentro da Capela?
Que autoridade moral tem este Senhor para julgar quem deixa de ganhar o seu pão para trabalhar para o rebanho que deveria ser liderado por ele?
Esta certamente não é a melhor forma de passar a palavra de Deus, perdoem-me aqueles que discordam da minha forma de pensar......

Assinado:
Ramiro Silva

43 comentários

Clique aqui para comentários
MC
admin
8 de fevereiro de 2010 às 09:00 ×

Devo dizer que só católica mas concordo em pelo com o que o Ramiro escreveu. São atitudes de Párocos iguais a este que afastam as pessoas da igreja. Não foi isto que Deus ensinou. Negócio? Chantagem? Luxúria? não foram esses os ensinamentos que ficaram...

Responder
avatar
José Silva
admin
8 de fevereiro de 2010 às 10:08 ×

Obrigado Ramiro,por dar a conhecer a falta de missa ao domingo na nossa Terra. è que o senhor Padre não anda a prégar a religião mas sim a ver se ganha para a buxa. Ou será que a comição tem que lhe dar o ordenado?

Responder
avatar
Sónia Mendes
admin
8 de fevereiro de 2010 às 11:26 ×

Isto está tudo virado do avesso, e a religião também não escapa ao desvario da humanidade!!!!!
Este Sr. Padre deixa muito a desejar, pela sua fabulosa educação, pela forma como divulga a fé, enfim..., já o senti na própria pele!!!Esse senhor que se diz um seguidor de Deus, é um exemplo a não seguir!!
Por outro lado, temos que concordar que as coisas mudaram, e é imposto pela diocese, que se pague um salário ao pároco responsável,e isso não me parece mal, o valor é que me parece ser exagerado!! Mas se se pagasse e tivéssemos um bom"serviço" ainda era como o outro. Pagar para ter o que temos, isso não!!! E já agora deixo aqui uma pergunta, estas 2 vezes que o sr. veio á capela e não disse a missa, vão ser pagas???
Seria se calhar melhor trocar não só da comissão, mas também do Padre!!!!!!

Responder
avatar
Sam
admin
8 de fevereiro de 2010 às 19:37 ×

È altura de lhe colocar uns patins e despacha-lo. Que mau exemplo para os jovens e não só.Esse senhor não merece sequer que a população da aldeia lhe passe cartão. Não é padre é um comerciante, e disso já tinhamos muito...

Responder
avatar
Antonio Silva
admin
9 de fevereiro de 2010 às 08:04 ×

Fico triste por saber que também já se passa na nossa terra, mas infelizmente a religião tornou-se um negocio, não sei o que se pode fazer, mas penso que em primeiro lugar este senhor não devia fazer parte da comissão da capela, quanto ao ordenado penso que é assim noutras terras não sei se nestes moldes.

Responder
avatar
Anónimo
admin
9 de fevereiro de 2010 às 15:27 ×

Missas, fados e bola, sao as diverssoes deste povo que pede esmola.
Esse cura quer viver no reino da terra.Pois que e o reino dos espertos.
O que lhes interessa, e que os tolos queiram viber no reino ceu.
Porque nao o mandam cortar silvados?

Responder
avatar
Anónimo
admin
9 de fevereiro de 2010 às 19:26 ×

Forca Pardieiros ja que os de Beijòs não têm coragem de o pôr a pão e laranja..... Que é o que ele merece.....

Responder
avatar
António J. Silva
admin
10 de fevereiro de 2010 às 02:40 ×

Por experiência própria (fiz parte da referida comissão) sei que estes assuntos não são fáceis, é necessário saber gerir os recursos humanos e o capital, como em qualquer outra actividade. O comportamento descrito é pouco católico, até numa lógica de mercado, porque não há procura suficiente para poder gerar proveitos desse montante (75 Euros). Penso que o sistema anterior era mais correcto: do valor recebido dos fiéis, por marcação, uma parte era para a comissão, e outra para o pároco. Sou contra este modelo de rendimento mínimo garantido.

Responder
avatar
10 de fevereiro de 2010 às 19:46 ×

Boa noite.
Não vou dar razão a nenhuma das partes porque não conheço o "caso" e, mesmo que conhecesse, não tenho capacidade nem legitimidade para isso.

No entanto, o artigo e os comentários anteriores motivam um comentário, se me permitem.

Em primeiro lugar, a referência «nem é de nacionalidade Portuguesa» é despropositada. Temos de nos habituar à ideia de que há várias profissões em que temos défice de profissionais e deveríamos agradecer a disponibilidade dos que vêm para cá trabalhar. No caso particular dos padres, "exportámos" muitos para África e Brasil, durante séculos, agora estamos na fase da "importação".

Em segundo lugar, discordo da ideia de que a «religião tornou-se um negocio». Os padres da igreja dominante em Portugal sempre foram remunerados pelos serviços. Muito mais do que o são hoje, por isso há 100 anos a profissão era muito atractiva e não havia a falta de padres que há hoje. A forma como se faz a remuneração tem variado com o tempo. Segundo percebi da notícia, a forma actual é uma remuneração "à peça", por tabela - parece-me justo.

Por último, atendendo à escassez da oferta e à qualificação exigida para a função, 75 euros é um preço baixo.

Se os clientes estão descontentes com o preço e/ou com a qualidade do serviço, é a outra face da moeda. Podem fazer alguma coisa para arranjar outro prestador do serviço?

Responder
avatar
Anónimo
admin
10 de fevereiro de 2010 às 20:00 ×

O que falta dizer é que o Sr. em questão quer ter muito poder no dinheirinho apurado pelos mordomos das festa anuais que a comissão tem. Temos que retirar o poder de Presidente do (sr. Padre), porque tem de ser ele? O que ele faz para arranjar dinheiro? Se a capela de Pardieiros tem algum dinheiro temos de agradecer a Pardieirenses.
O sr. Padre faz o seu trabalho é PAGO e nada mais... quer alguma coisa nova pede a comissão, e não cheques em BRANCO !!!

Responder
avatar
Anónimo
admin
10 de fevereiro de 2010 às 22:59 ×

Parece me que para alem do que foi escrito algumas coisas ficaram para tras como que esquecidas. Este dito senhor nao tem caracter como homem e muito menos como homem da igreja. Nao tem faltado provas para esta minha humilde opiniao mas nao tem respeito por nada nem ninguem. Quanto a afirmacao de que nem sequer e portugues ha que referir que este senhor tem habitos pouco dignos que o nosso humilde povo nao esta habituado e que mais parecem importados ja que nao estamos habituados a comportamentos desta natureza! Este dito "senhor" nao tem polimento tem atitudes nada dignas para ninguem e so tolera aqueles que lhe prestam vassalagem ou que lhe encem os bolsos! E com agrado e despliscencia que provoca casos vira as pessoas umas contra as outras a seu belo prazer e da forma que lhe convem melhor. E horrivel perceber o que este homem anda a fazer. Este senhor que se entitula como padre nao dignifica a diocese nem as pessoas que o antecederam e acima de tudo a fe dos crentes.Peço desculpa aqueles que nao percebem exactamente ao que me refiro e quanto aqueles que percebem FACAM ALGUMA COISA!

Responder
avatar
Anónimo
admin
10 de fevereiro de 2010 às 23:03 ×

Quanto a qualificação sr Carlos este senhor NAO TEM! Quanto a qualidade do serviço prestado e o que esta a vista. Para mim 1€ num produto ou serviço "reles" é caro! Quanto mais 75 euros por um serviço inexistente! Onde se viu um padre usar a linguagem que usa? Francamente.. Que fale quem tem conhecimento de causa e nao quem lhe convem por panos quentes!

Responder
avatar
10 de fevereiro de 2010 às 23:25 ×

Caro anónimo,
parece-me que (ainda) há liberdade de expressão neste blogue. Por isso emiti a minha opinião.

Não quero pôr panos quentes nem frios sobre nada. A minha opinião incide sobre 2 aspectos:
1. Não concordo que se critique alguém no exercício de uma função por não ser português.
2. Não me parece justo que, só porque uns exercem actividades não remuneradas em voluntariado, isso seja também exigido aos párocos. A diocese e a arquidiocese deram indicações para que os serviços sejam pagos, logo não será por aí que se pode criticar um pároco.

Pelas entrelinhas, parece que têm outras razões de queixa. Sendo assim, é esse o ponto em que podem fazer valer as vossas razões, esqueçam o preço das missas e, sobretudo, a nacionalidade!

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 12:28 ×

Parabens pelo post concordo plenamente. No calor do descontentamento de muita gente torna se cuase inevitavel criticar nos pontos onde por vezes se perde a razao. Esta questao e bastante mais profunda do que a cobranca de serviços quer da nacionalidade deste senhor. A razao das minhas criticas e opinioes sao contra o caracter deste senhor bem como a postura deste senhor por onde passa. A ostentacao de um ilusorio poder fica mal a qualquer um quanto mais a um senhor que se auto entitula de homem do Senhor.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 14:38 ×

O Sr. Carlos Peixeira Marques, considera que 75€ por uma missa que não dura mais de 45 minutos, em média 100€ à hora é mal pago?
Para quem vive numa do povo, desloca-se num carro do povo e que provavelmente não declara ao fisco todas as suas remunerações, cobra 100€ por hora e ainda quer o dinheiro das missas, que é a principal fonte de receita da Capela, para pagar os honorários ao Sr. Padre.
Acha que isto é mal pago?
Nunca esteve em causa o salário do Sr. Padre, pois já há muitos anos que os padres são remunerados.
O que está em causa é as atitudes que ele tem tomado com a comissão da Capela, exigir que se demitam, por não terem cedido às suas exigências, queria que lhe dessem um cheque em branco.
Alguém pode concordar com isto?
Perante as atitudes que tem tomado com os fiéis, este senhor tem demonstrado que não é um bom cristão e é um péssimo exemplo para a religião católica.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 20:09 ×

Ao ler todos os comentários,não concordo com o julgamento feito ao Sr. Padre,vindo de cristãos acho ser de muito mau gosto tal polé-mica e acusações.Que exemplo estais a dar? Quanto ao che-que,claro que pode usar, a preencher no lugar de compra, estes cheques são sempre assinados por duas pessoas,motivo de que será sempre controlado.Haja mais respeito.Independente de concordar ou não com todas as suas atitudes.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 20:21 ×

Que exemplo estamos nos a dar????!!!! Francamente!! E que exemplo esta amostra de homem da? De Padre nao tem nada! E agora por ser cristao tenho de concordar com as barbaridades que este homem faz? Vassalagem a um homem que denegride a palavra de Deus? Jamais! Se quisesse respeito e consideracao que o fizesse por merecer! De bolsos fundos ha ai muita gente. E um servente de Deus nada mais. Mas nos nao somos serventes dele!

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 20:51 ×

Eu queria ver se qualquer dos comentarista dava um cheque assinado em branco ao Padre? Ou se ficavam calados se o Padre leve-se o dinheiro de 2 missas? Sera que temos um ladrão? Chama-se a televisão. Não deu a missa 2 domingos porque quer a comissão fora. Por amor de Deus!! Ainda por cima uma senhora pediu-lhe para dar a missa e ele disse-lhe que não percebia nada do asssunto, que tinha de tirar um curso, esta a chamar a população de Burros?

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 21:42 ×

Sou de Pardieiros, e sempre que posso visito a Aldeia que tanto amo.
Lamento mas tenho que concordar com o Sr Carlos Peixeira Marques.
O povo de Pardieiros não está a compreender de facto que o mundo e a Aldeia não é mais a mesma de 100 anos atras. Os tempos são outros e se não quiserem a missa dada por esse Padre que deixou seu País para vir servir cá onde faltam padres digam-lhe que não querem mais seus serviços. Mas se ainda esperam ter a Missa então paguem aquilo que está estabelecido.
Eu, e todos nós, quando contratamos algum serviço pagamos pelo serviço, na vida da Igreja hoje também é assim.
Reparem outra coisa. Nós dos Pardieiros não colaboramos nada para as despezas de formação deste Padre, e qualquer profissional tem elevados custos em sua carreira de estudos. Até onde pude me informar essa Padrer que atende Pardieiros tem muito boa formação, além dos cursos exidos para a vida de padre também tem vários outros cursos, para além disso é um dos poucos padres em viseu que tem o domínio de quatro idiomas, tem passado por outros países antes de pedirem para vir cá, isso não é pouco.
Mais uma vez vou dizer que em Pardieiros estão a perder com essas atitudes contra o padre, deviam ajudá-lo a resolver os problemas da comissão e não atacá-lo deste modo.
Mas cada um tem o direito de dizer o que pensa. Mais uma vez repito, se não quiserem pagar o que o padre pediu pelos serviços não queiram ter a missa, ponto final parágrafo.

Responder
avatar
Marco
admin
11 de fevereiro de 2010 às 22:08 ×

Acho que estão a entender mal a mensagem, ninguem esta a por em causa o valor das missa, mas sim o que aconteceu, mais ou menos o que o anonimo de (11 de Fevereiro de 2010 as 20:51)escreveu por isso não vou repeter. E pelo que eu sei o Sr. Padre tem problemas em todas as terras que da missa, ate arranjou problemas nas caritas de Beijós. Será que o mal é das povoações ou do Padre?

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 22:19 ×

lendo tudo o que está escrito, tenho que concordar com a opinião do Carlos Peixeira Marques e de outros que o seguem.
Se o problema nao é o pagamento ao padre então deviam dizer-lhe que não querem a missa. Por que Pardieiros quer ter missa se não gostam do padre que tem? Já disseram ao padre que dispensam os serviços deles... acho que com tanta procura que há ele nao teria qualquer dificuldade de dizer missa em outro lado.
Sobre a Cáritas, faz cerca de 3 meses que estive em Beijós e devo dizer que nunca em minha vida tinha visto aquele lugar tão bem organizado. Não sei se o Marco que esta a falar acima já visitou a Caritas nos ultimos tempos. Tem muito mais idosos lá e todos satisfeitos pois agora sentem que há alguém por eles. Também falei com as funcionárias que estão muito mais de acordo com o novo director de lá.
Antes de tecer críticas as pessoas deviam participar mais, visitar e acompanhar os problemas reais, certamente teriam outra opinião.
Quanto ao padre, digam-lhe que não querem mais os seus serviços. Por que ides criticar o padre e ainda querer que lhe diga a missa? Isso é incoerência.

Responder
avatar
11 de fevereiro de 2010 às 22:26 ×

@Marco

Vais jantar num restaurante, o empregado traz-te a lista, escolhes Bacalhau à Zé do Pipo, cujo preço é 12€. De seguida, pedes a carta de vinhos e escolhes Morgado de Silgueiros, marcado a 8€.
Servem-te o vinho demasiado frio num copo todo riscado, presumivelmente porque a má qualidade do mesmo não resiste ao elevado número de lavagens na máquina.
Quanto ao prato, parece-te que já é do almoço e foi aquecido no microondas, já que há partes do puré que estão frias e outras excessivamente quentes.
Achas que não tens de suportar o mau serviço e pedes o livro de reclamações. Escreves:
«É um autêntico roubo cobrarem 8€ por um vinho que custa 2,5€ na Cooperativa. A cozinheira é ucraniana e não percebe nada de receitas tradicionais portuguesas, nem sabe dessar o bacalhau».

É isto que se passa com o texto do post, não corresponde às "queixas" dos anónimos.

Quanto ao preço das missas, não vale a pena discutir, porque parece que não é esse o problema. Mas é fácil entender que, se o trabalho fosse tão bem pago como querem fazer crer, haveria muitos trabalhadores disponíveis.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 22:29 ×

O Sr. Anónimo que diz ser dos Pardieiros, terra que tanto ama. O seu comentário não demonstra isso.
Se não mora em Pardieiros, como conhece assim também o senhor padre?
Não está em causa o valor dos honorários, mas sim as atitudes que ele tem preferido, em querer um cheque em branco e o dinheiro das missas.
O senhor anónimo, não entendeu ou não quer entender.

Responder
avatar
Marco
admin
11 de fevereiro de 2010 às 22:53 ×

Anonimo:
Em relação as caritas posso-lhe garantir que teve problemas com a direcção que lá estava de fonte segura, tinha lá familiares.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 22:59 ×

muitas pessoas estão a desviar do verdadeiro problema, eu não quero me envolver com essa história mas apenas perguntar, esses membros da comissão que lá estão a mandar não estariam a atacar e caluniar o padre para esconder alguma coisa? Será que eles também não têm telhado de vidro e o padre descobriu alguma coisa e agora querem esconder? Até quando nós dos Pardieiros teremos que prestar vassalagem e cumprir com aquilo que um tipo da comissão determina? Já não lembram que dois anos atras ficamos de fora, sem poder abrir a capela para rezar à noite da festa de Nossa Senhora de Fátima só porque a mulher do senhor da comissão não permitiu? Tem muita coisa pra discutir antes mas acharam o padre para o fazer de judas e malhar... fico envergonhada quando leio tanta coisa má contra o sr padre, ele certamente tem defeitos, não o conheço porque na hora da missa estou a dormir ainda, mas quem "não tem pecado que atire a primeira pedra", pensem nisso e não continuem prejudicar nossa aldeia, deixemos de atacar quem ainda se dispõe a dizer a missa para nossas pessoas idosas da aldeia. Quem se julga, que faça melhor, vá a padre... eu só poderia ir à freira, mas não penso em estragar minha vida na boca de pessoas ingratas.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 23:04 ×

Muito bem escrito Marco.Palavras elequentes nao chegam para mascarar o problema ou tapar o sol com a peneira. Quem diz que este padre esta a desenvolver um bom trabalho so pode partilhar dos interesses dele mesmo. Porque e mesmo assim a postura dele. Sera que as pessoas nao lêm os posts desde o inicio? O problema dos dinheiros ainda e o minimo dos problemas, E ja agora se nao temos profissionais a altura sera que se tem mesmo de pagar pelo unico que e possivel? Nao me parece razoavel para alem de que a presenca deste homem so veio deixar saudades de quem ja nao esta la. Quanto ao criticar o padre pelo que cobra nao o querendo la a razao e tao obvia que e gritante. As pessoas querem celebrar a eucaristia e ja que pagam e nao ha nada melhor tem que aturar este triste padre! As tendencias moldam as vossas opinioes. Quem diz que esta tudo bem como ja houve quem dissesse ou e cego ou nao tem a mais palida ideia do que se passa. O que a caritas e hoje deve se ao fruto do trabalho desenvolvido por pessoas que estiveram no passado na instituicao. Pode se dizer que estao a colher frutos do passado.

Responder
avatar
Anónimo
admin
11 de fevereiro de 2010 às 23:23 ×

O melhor e ir a missa fora.
Levante-se cedo e vao a missa a outra freguesia.

Responder
avatar
Ramiro
admin
12 de fevereiro de 2010 às 00:08 ×

Apenas vou dizer que se realmente este Senhor tem toda esta formação que aqui se diz, certamente não vive das missas que reza! No entanto, quero também esclarecer que o ponto fulcral aqui não é o valor que lhe pagam mas sim a sua atitude.
Volto a fazer a pergunta:
Será normal um Padre que serve a Deus e que passa a palavra de Deus,abandonar a Cspela sem rezar a missa com esta cheia de fieis?
Quanto às criticas da Nacionalidade quero apenas referir o seguinte, os emigrantes quando vão à procura de melhores condições têm que obdecer às regras de quem os contrata e não imporem eles proprios as regras.
E já agora, Srs. Anonimos não tenham medo de dar a cara porque trata-se de um probema em que todos podemos dar opinião sem nos escondermos.

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 10:18 ×

Sra. anónima do dia 11-02-2010, das 22:59, será que também não queria pertencer à comissão?!?! Por ter problemas com uma pessoa da comissão não pode julgar todas por igual!!!
Ainda existem pessoas sérias, e certamente que a Dª. Eduarda, não precisa das esmolas do santo!!!Certamente que daria uma freira e pêras!!!
Quanto ao padre, pode ter toda a formação do mundo, mas usa-a a seu belo prazer, é uma pessoa que mente, que usa a forma como fala para pôr as pessoas uma contra as outras... o mal é realmente esse de existirem poucos padres!!! depois os que vêm julgam que são os donos do mundo!!!
Abram os olhos!!!!

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 12:25 ×

Se muitos nao dao a cara e mesmo por receio e ha muitas razoes para isso.Quanto as pessoas da comissao acredito que sejam ate de boa fe.. Pelo menos aqueles que ainda lutam pelos interesses do povo e nao os do padre!Se calhar por muitos lhe terem feito frente agora sao pressionados para sairem... O sr padre ja devia saber que a ma lingua e a mentira tem perna curta! Se imaginassem o que ele fala a pessoas de fora.. Nunca ouvi ninguem a falar tao mal das terras e dos respecitos habitantes e fieis.. Quem o certamente defende nao o conhece e so por serem cristaos crentes o defendem.. Ha muitos assim. Mas este homem nao merece consideracao de ninguem!

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 13:34 ×

pelos comentários nota-se que há muitos derrotistas e deita abaixo como na política. Quem escreve aqui com certeza nao vai a missa e pensa que está a ajudar a aldeia. se o padre é mesmo isso tudo que dizem não deviam querer missa dele. arrumem outro e ponto. é fácil se esconder em desculpas e transferir os problemas da aldeia ao padre, isso ocorre em todos os lados, sempre no ver do povo os padres tem a culpa, mais difícel é ir á padre ou a freira como uma anónima falou acima.
Por que a comissão não diz a missa? Por que querem o padre? Por que tem que chamar o padre para enterrar os mortos, baptizar, casar e tudo o mais? Acho bem que as pessoas não fizessem disparates como tantos que vemos cá escritos.

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 15:44 ×

Estes comentários estão a ser tudo menos a defender ou a arranhar soluções para o problema principal.
É só lavar roupa suja e brincar com assuntos sérios. Ainda bem que é carnaval ...

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 16:54 ×

Caro amigo Anonimo das 12h15. Nao da para disfarcar ne? Se a tantos deita abaixo como na politica e porque padres e politicos aproveitam se do mesmo. Tal como na politica estamos sujeitos aos mesmos tipos de abusos! De mania de poder. De intrigas de "fala-barato" de mentiras e etc. O sr padre havia era de rastejas donde saiu! Se a mentira pagasse imposto voce estava tramado. Va mas e fazer queixinhas a quem lhe da ouvidos tambem por interesse! O povo pode ser humilde mas ainda acredito que nao e burro!
O que ha a defender? Alguem me explique! Parece mesmo que se esta a brincar com assuntos serios? Ha quem ande a brincar mas NAO E O POVO! Alem de ser altura de Carnaval ha quem ande a brincar ao Carnaval o ano inteiro pois o sr padre faz questao de andar mascarado de cordeiro o ano inteiro!Influencias... So nao vê quem nao quer. Como alguem disse e ainda muito bem ainda ha democracia e segundo creio este blog e livre de se apresentarem opinioes!

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 19:27 ×

Mas que confusão! Primeiro era o dinheiro,agora já não é questão de dinheiro é de poder... Será que o maior Senhor do poder,não são alguns membros da comissão que julgam não existirem nos Pardieiros elementos tão competentes ou melhor,para esta missão colaborando com o Padre e para bem de toda a aldeia? O Padre não é vosso servo, mas sim colaborador. Mas ninguém consegue colaborar quando não há confiança. Este senhor Padre já deu provas que não quer o dinheiro de ninguém.Tem apenas um miserável ordenado o qual,qualquer simples trolha o ganha.Estão a fazer acusações totalmente injustas sem qualquer conhecimento das causas.Por esta via não chegam a lado nenhum.E em nada dignificam a vossa terra.

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 20:51 ×

sinceramente eu tinha vergonha de chamarem a um homem desses de padre, que só está interessado no poder, no dinheiro em tudo menos na sua função como padre.
e crianças e adolescentes que aprendem na catequese que um padre é o seguir de cristo, quando observam este mau exemplo acham que tudo é mentira, pensem como deve ser ele representa deus e nao alguem qualquer.
a função dele nesta paroquia e passar a palavra de cristo nao esturquir dinheiros aos paroquiantes.
assim é facil ser padre enganando toda a gente e toda a comunidade.
eu sinceramente dar um exemplo á comunidade destes , mais valia ter ficado onde estava e as pessoas ainda se queixavam de padres antigos. por amor de deus vejam que ele só quer dinheiro e esta numa igreja por estar assim se padre fosse como ele é , haveria muitos porque só o fariam por dinheiro.
em relação ás caritas, deveriam ir ver e nao falar do que se ouve.
as pessoas queridas que defendem este "padre" devem é estar interessadas também no dinheiro.
popem-me e lembra-se que á seguidores fiéis que veem coisas destas.

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 21:29 ×

Amigo anonimo das 19:27. Se prestar a devida atenção ao que aqui foi escrito estao representadas varias opinioes de varias pessoas. Se umas queixam se do dinheiro outras queixam se do mau caracter deste homem! Percebeu? Estao aqui a tentar virar o bico ao prego mas nao conseguem! Pensam mesmo que alguem o quer de servo da comissao? Francamente que mau gosto. Opinioes dessas so podem mesmo ser a gozar! Ninguem e digo ninguem quer é ser espezinhado por este dito Homem do Senhor. Nao o façam de coitado que de coitado nada tem! Nem o façam de coitado e nem o comparem a trolhas que para dito ordenado de trolha tem um carro melhor que o meu. Pobre eu sou mas nao de espirito e tambem nao cobiço a riqueza dos outros. Estou fartop e de ver esse homem fraco a dividir as pessoas a ameaça las e a persegui-las!

Responder
avatar
Anónimo
admin
12 de fevereiro de 2010 às 23:47 ×

Eu Francisco Abilio Abrantes.
Nascido em Beijos
Residente em:
22815 Alice St.
Hayward, Ca.94541
U.S.A.
Coidei de uma senhora, vinda Ilha da Madeira.
Que quando partiu, da sua terra natal, fez a promessa se um dia voltasse, ofereceria um litro de azeito e do melhor ao "Santissimo". Voltou, o seu marido teve, que, ir comprar o tal azeite. Mas como nao era estupido, naquele tempo a iluminacao ere a petrolio.Nao teve problemas, pois que o tinha em casa, e, adicionou apenas duas gotas dsse liquido no azeite,e entregou a esposa, para que fosse cumprir a dita promessa.
No Domingo seguinte ele acompanhou a esposa, e foi a missa tambem.
Qual o espanto dele quando, o impingidor do envangelho,desatou a barafustar que tinham deitado petrolio no azeite,e, que a lamparina estava a deitar muito fumo.Os paroquianos viraram-se para lamparina, e deram uma gargalhada. Nao se ve nada sr. bispo!...
O problema e que nao pode comer a batatas com o bacalhau. Sabiam a petrolio. Os espertos, tambem caiem.

Responder
avatar
hugo
admin
13 de fevereiro de 2010 às 16:22 ×

ramiro estou de acordo contigo .... os padres devem passar a palavra de deus e nao impor as suas leis à sua maneira ..... pardieirenses nao deixem que brinquem com voces .... porque uma padre que abandona uma capela CHEIA DE FIEIS NAO E DIGNO DE ANUNCIAR A PALAVRA DE DEUS.......Sò MAIS UMA COISA ISTO È UM BLOG PARA AS PESSOAS DAREM A SUA OPINIAO, NAO PARA LAVAREM ROUPA SUJA DE COISAS QUE NAO TEEM NADA A VER COM O ASSUNTO

Responder
avatar
Anónimo
admin
13 de fevereiro de 2010 às 20:02 ×

Sr Francisco muitos parabens pelo que escreveu. Sem duvida os espertos tambem caem.. Fantastico. Sr Hugo oncordo da sua opiniao. Contudo se as pessoas estao descontentes esta ferramenta e usada para colocar opinios e se nao sao boas o que acontece e isto que esta ha vista. As coisas nao estao bem e de onde este senhor veio nao ficaram saudades. Porque sera?

Responder
avatar
Anónimo
admin
13 de fevereiro de 2010 às 20:07 ×

Para minha tristeza o que se escreve e escreveu nao passam de desabafos de quem se revolta com as situacoes e com a postura nada dignificante deste senhor. Infelizmente estas opinioes ja foram visualidas por pessoas da diocese e por outras mas na forma de as coisas mudarem. Vai se aguentando por nao haverem alternativas. Vai valendo a força do povo que vai tentar por este padreco no seu lugar. Força povo de pardieiros e Beijos!

Responder
avatar
Anónimo
admin
14 de fevereiro de 2010 às 18:06 ×

"O portugues quando imigra, trabalha, trabalha dia e noite todo ano. Mas, quem fica rico, e o vaticano."
Tem que se sujeitar, se quer triunfar.
Francisco Abilio Abrantes
U.S.A.

Responder
avatar
Anónimo
admin
16 de fevereiro de 2010 às 11:30 ×

Por acaso o bispo ja sabe destas coisas....
não acham que deveria saber passem a palavra ....

Responder
avatar
Anónimo
admin
19 de fevereiro de 2010 às 00:48 ×

é curioso observar que os únicos comentários favoráveis ao sr. padre foram escritos por um brasileiro, não há forma de fugir às origens...Sr. Padre, se quer falar neste blogue e assumir a sua posição, por favor, dê a cara e não venha com frases do género nasci em pardieiros, etc...escrevendo a seguir em brasileiro "Tem muita coisa pra discutir"...é um verdadeiro insulto à nossa inteligência. Penso que é mesmo caso para usar a expressão: vá pregar pra outra freguesia...

Responder
avatar